:: Apresentação :: Contato Version in English :: Página Principal
N O T ?C I A S
Animais
Desmatamento
Indígenas
Minérios
Plantas
Rios
Turismo
Geral
Vídeos
O U T R O S
Apresentação
Artigos
Contato
Expediente
Notícias >> ANIMAIS 
Formatar Fonte:
+
-
Desmatamento já compromete biodiversidade
Cláudio Paiva
quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006
Porto Velho/RO – Rondônia já desmatou 25% dos 238.512,80 hectares de sua área, ou seja, 5% além do permitido pela legislação. O comprometimento da cobertura florestal do Estado já ameaça a biodiversidade e o ecossistema regionais, com a ameaça iminente de extermínio de diversas espécies animais e vegetais.

As denúncias são do engenheiro florestal Carlos Alberto, de Belém (PA). Ele prevê a desertificação da região nos próximos dez anos, por causa dos desmatamentos e das queimadas indiscriminadas, que acontecem, tradicionalmente, durante o rigoroso verão amazônico, fenômeno que ocorre no período de março a outubro de cada ano. “Centenas de animais e vegetais já foram extintos pela ação humana no ecossistema”, assegura o engenheiro florestal.

Retroagindo no tempo, ele lembra que a Portaria n 37, de 3 de abril de 1992, lista centenas de animais e vegetais ameaçados de extinção. Dentre estes, enumerou o pau-rosa, castanheira, sucupira, homélias, orquídeas, pau-brasil, cervo, mico-leão, tatu, ariranha, papagaio, arara e peixe-boi.

Especialista em educação ambiental, Carlos Alberto explica que o desmatamento legalmente permitido na Região Norte era de 50% na propriedade rural, sendo reduzido para 20%, por força de lei. “Mesmo assim, por falta de fiscalização, a legislação florestal não vem sendo cumprida à risca. Pela extensão do Estado, pela diminuta quantidade de fiscais e operações de fiscalização e ações preventivas quase ausentes e a precária situação institucional, é muito otimismo dizer que o desmatamento está sob rigoroso controle”, disparou o técnico do Governo paraense.

Limites ultrapassados

De acordo com o renomado ambientalista, existem municípios com intensa produção (agropecuária, por exemplo), que já ultrapassaram todos os limites permitidos, como Rolim de Moura (70% de sua área), Presidente Médici (69%), Ouro Preto do Oeste (66%), Ariquemes e Cabixi com quase 60% de desmatamentos de suas áreas.

Carlos Alberto diz que pouco ou quase nada tem sido feito, na prática, para conter o avanço do desmatamento indiscriminado, não só em Rondônia, mas sobretudo em toda a Amazônia brasileira.

Mestrando em Desenvolvimento Regional Sustentável e Meio Ambiente, Carlos Alberto garante que Rondônia é um dos estados da Região Norte , onde a falta de fiscalização ostensiva está propiciando o desmatamento indiscriminado, pois os “toreros” continuam derrubando e transportando madeira ilegalmente, inclusive roubadas de áreas indígenas e das unidades de conservação permanente.


fonte: :Amazoniaavista
versão para impressão

 

 

:: Mais Notícias dessa categoria ::
4/6/2007 Curiós são os mais cobiçados por traficantes
31/1/2007 Rondonienses embarcam no sonho do ouro
19/12/2006 Animais peçonhentos se tornam ameaça
5/12/2006 Macacos e pássaros são apreendidos
23/11/2006 Pássaro da Amazônia vale mais de 120 mil dólares
20/11/2006 Oito espécies de primatas habitam parque
18/8/2006 Animais correm risco de extinção em Rondônia
19/4/2006 Festival combate pesca predatória
31/3/2006 Da Selva para a cidade
19/2/2006 Caçadores ameaçam animais de reservas
14/11/2005 Três espécies deixam a lista de animais ameaçados
21/9/2005 Guaporé é o maior produtor de tartarugas